(11) 4195-4500 | (11) 96447-1266      contato@drorlandofreitas.com.br    |   

Você sabe como o seu corpo se adapta à pílula anticoncepcional?

A pílula anticoncepcional é uma das formas mais populares de contracepção, mas você já se perguntou como o corpo se adapta a essa pequena pílula que revolucionou a vida de tantas mulheres? Vamos entender os mecanismos envolvidos nesse processo.

A pílula anticoncepcional é composta por hormônios sintéticos, geralmente estrogênio e progestina. Essas substâncias mimetizam os hormônios naturais produzidos pelo corpo da mulher e atuam no sistema reprodutor de diferentes maneiras.

Primeiramente, a pílula inibe a ovulação, impedindo a liberação mensal de óvulos pelos ovários. Sem a liberação de óvulos, não há possibilidade de fertilização pelo espermatozoide, evitando a gravidez.

Além disso, a pílula torna o muco cervical mais espesso, dificultando a passagem dos espermatozoides em direção ao útero. Isso cria uma barreira adicional para evitar a fertilização.

A pílula também interfere no revestimento uterino, tornando-o menos propício para a implantação de um óvulo fertilizado. Caso a ovulação ocorra e o óvulo seja fertilizado, sua viabilidade é reduzida, evitando a gravidez

A adaptação do corpo à pílula anticoncepcional pode variar de mulher para mulher, mas geralmente envolve um período de ajuste inicial. Confira as fases de adaptação:

Estabilização hormonal: Durante os primeiros meses de uso, pode ocorrer um período de adaptação em que o organismo se ajusta aos hormônios adicionais presentes na pílula. Isso pode levar a sintomas como mudanças de humor, sensibilidade nos seios, alterações no ciclo menstrual e até mesmo pequenos sangramentos irregulares (escapes).

Regulação do ciclo menstrual: A pílula anticoncepcional também ajuda a regularizar o ciclo menstrual, tornando-o mais previsível. No entanto, durante os primeiros meses de uso, é comum ocorrerem alterações no padrão menstrual, como sangramento mais leve ou mais intenso do que o habitual, atrasos ou antecipações na menstruação. Essas mudanças tendem a se estabilizar conforme o corpo se adapta à pílula.

Efeitos colaterais: Algumas mulheres podem experimentar efeitos colaterais indesejados ao iniciar o uso da pílula. Alguns dos efeitos colaterais comuns incluem náuseas, dores de cabeça, alterações na libido e retenção de líquidos.

É fundamental que a pílula escolhida seja recomendada pelo seu ginecologista. Faça sempre o acompanhamento para ter as orientações adequadas.

Fonte: Medical Site

Agende sua consulta!
Orlando José de Freitas - Doctoralia.com.br